O desenvolvimento da escrita na Educação Infantil

O que a criança aprende (ou deixa de aprender) na Educação Infantil vai influenciar toda a sua vida escolar futura. Na Educação Infantil, são desenvolvidas habilidades cognitivas e motoras que serão usadas no decorrer da vida escolar de cada aluno. Porém, essas habilidades vêm sendo substituídas por excessos de conteúdos e antecipação da maturação motora e, como consequência, etapas importantíssimas para o desenvolvimento das crianças estão sendo puladas.

OS PRIMEIROS RABISCOS

Os primeiros rabiscos deixados no papel pela criança possuem significados lógicos e específicos, como desenhos ou palavras. Nesta fase, a criança vivencia hipóteses de que escrever é desenhar e seus desenhos são escritos. Os estímulos que a criança terá é que definirão o tempo que levará para ela alcançar o aperfeiçoamento em sua representação gráfica.

Antes de ser alfabetizada, a criança precisa desenvolver algumas habilidades que lhe possibilitarão: conquistar a coordenação motora fina que proporcionará preensão adequada do lápis, o equilíbrio que sustentará a postura correta para se manter sentada; um bom desempenho da coordenação viso motora e a manutenção da atenção e da concentração, entre outros.

Se brincar, a criança vai conquistar tudo isso naturalmente. São as experiências sensoriais e motoras registradas que permitirão o bom desempenho cognitivo e facilitarão o processo de aprendizagem. Mas essas experiências estão cada vez mais escassas no repertório de atividades de nossas crianças.

CENÁRIO ATUAL

A alfabetização está acontecendo cada vez mais cedo e estruturas que ainda não estão preparadas são forçadas a amadurecer. Brincadeiras têm sido substituídas por programas infantis, vídeos e desenhos animados. Mesmo educativas, essas atividades não são muito úteis, pois o sistema nervoso necessita de uma vivência real para realizar um registro de experiência.

A brincadeira auxilia, inclusive, nos ganhos da orientação espacial e da lateralidade (dominância lateral), fundamentais para a escrita. Porém, quando a criança apresenta dificuldades em determinadas habilidades podem ocorrer disfunções como: inversões de letras e espelhamento, escrita fora da linha, lateralidade indefinida, força exagerada na escrita e no desenho, entre outros.

DESENVOLVENDO A MOTRICIDADE

O desenvolvimento parte da motricidade grossa para uma habilidade mais fina. Antes de fazer a preensão do lápis, que exige coordenação motora fina, a criança precisa trabalhar as articulações anteriores (mais proximais) por meio de atividades que estimulem a coordenação motora grossa. É preciso trabalhar o membro superior por completo (ombro, cotovelo, punho), antes de chegar às falanges dos dedos, em movimentos mais refinados como a pinça e a preensão.


Luciana Martins Maia é professora, pedagoga, jornalista, pesquisadora na área de educação, especialista em Alfabetização, Avaliação Educacional, Neurociência aplicada à Educação Inclusiva e MBA em Gestão Estratégica da Educação. Possui mais de 30 anos de experiência em sala de aula, atuando como alfabetizadora e com atendimento a alunos com necessidades especiais na área da leitura e da escrita e formação de professores. É autora do livro: Alfabetização Completa e atualmente é diretora do IDCPro – Instituto de Desenvolvimento e Capacitação Profissional que atua na qualificação de educadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *