Qual a melhor escola para meu filho estudar?

A escola deve oferecer o desenvolvimento cognitivo, social e afetivo.

No início de ano letivo sempre cabe a grande dúvida: “A melhor escola é a que tem mais conteúdo, considerada a “forte”, ou a que saiba valorizar os aspectos cognitivos, emocionais, sociais e afetivos?”

Tomar essa decisão não é fácil, já que se deve atentar a relevantes aspectos desse novo ambiente de aprendizagem formal, de convivência e formação de pensamento crítico do cidadão. Apesar de ser, a princípio, uma escolha dos pais, deve ser levada em conta a escuta a respeito das necessidades de seu filho.

Uma escola comprometida com o processo de educar deve oferecer o desenvolvimento cognitivo, social e afetivo. Em outras palavras: uma escola que promova a “neuroaprendência”, que é a capacidade de sentir, pensar e agir. Além disso, é fundamental que ela se torne um local de educação emocional também, evitando perfis de agressividade e violência.

A escola que promove a “neuroaprendência” educa as emoções.

Sabe-se hoje que as áreas relacionadas aos processos emocionais ocupam distintos territórios do cérebro, destacando-se entre elas o hipotálamo, a área pré-frontal e o sistema límbico.

Os mecanismos que controlam os níveis de atividade nas diferentes partes do encéfalo e as bases dos impulsos da motivação – principalmente para o processo de aprendizagem, bem como as sensações de prazer ou punição, são realizados em grande parte pelas regiões basais do cérebro. Estas, em conjunto, são derivadas do sistema límbico, que desenvolve as funções afetivas e promove a tendência ao desenvolvimento de comportamentos lúdicos (gostar de brincar).

Vale lembrar que a escola não trabalha sozinha; a família também tem um papel primordial de suporte na vida acadêmica de um filho. Então, que tal reconhecer as emoções e sentimentos dos filhos?

Eles também têm expectativas, medos, desejos, escolhas e decisões. Assim, a família e o espaço escolar tornam-se fundamentais na construção desse sujeito cerebral.

Portando, a melhor escola é a que trabalhe as habilidades cognitivas e relacionais do seu filho, por meio da escuta emocional que entenda os sentimentos e que promova o pensar sobre o pensar (metacognição). Além disso, ela deve proporcionar a “neuroaprendência” como uma proposta pedagógica no processo do aprender a aprender aplicado à vida, a fim de promover a capacidade de superação e resiliência emocional (capacidade de autossuperação) diante das diversidades.


Marta Relvas – Palestrante, Conferencista e Consultora na área de Neurociência Aplicada à Aprendizagem Cognitiva e Emocional no Desenvolvimento Humano. Bióloga, Neurobióloga, Psicopedagoga, Psicanalista, Pós graduada em Anatomia Humana, Especialista em Fisiologia Humana, Bioética Aplicada e Didática do Ensino Superior. Pesquisadora na área de Biologia Cognitiva e Aprendizagem e Membro Associada da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento. Mentora e Professora do Curso de Pós Graduação de Neurociência Pedagógica da Faculdade Integrada AVM-UCAM/RJ.

Autora dos Livros: Fundamentos Biológicos da Educação – desenvolvendo inteligência e afetividade na aprendizagem, editora WAK. 5° edição. Neurociência e os Transtornos da Aprendizagem, editora WAK 5° edição. Neurociência e Educação: Gêneros e potencialidades na sala de aula, editora WAK.2° edição. Neurociência nas Práticas Pedagógicas, editora WAK , 2012.

Contato: www.martarelvas.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *