Projeto Astro e Estrela da Semana

Justificativa

O ponto de partida para a definição deste projeto foi à necessidade de desenvolver na turma a produção textual e a autonomia em suas atividades, além de contemplar as diferenças quanto ao domínio da leitura e da escrita, as dificuldades de aprendizagem sob vários aspectos, enriquecerem o vocabulário e organizarem-se melhor no tempo, no espaço físico e gráfico, pois se encontravam refazendo o 3º ano de escolaridade e ainda não dominavam a leitura e a escrita, além de apresentarem uma baixa autoestima. A proposta do projeto “Astro e Estrela da Semana” trabalha à autoestima, respeitando a individualidade, a criatividade e a liberdade de cada um, o contexto social em que vivem, seu conhecimento de mundo e as diversidades culturais, onde podem deixar fluir suas emoções e pensamentos, sendo assim, contemplaria as necessidades do grupo.

Objetivos

Este projeto tem como objetivo, desenvolver na criança a autoestima, a autonomia, o respeito entre eles, a participação e o poder de criação, sabendo-se autor de sua própria história de vida. Foi elaborado, partindo de uma concepção de criança como um ser ativo e parte integrante do processo de desenvolvimento do qual ela própria é co-autora de sua história. Seu conhecimento é valorizado e estimulado, fazendo com que se torne autoconfiante e capaz de interagir em seu processo educacional.

Conteúdos Curriculares

Através dessa proposta pedagógica, o aluno vivenciou e refletiu sobre diferentes idéias e sugestões, desenvolvendo conteúdos curriculares interdisciplinarmente, tendo como recurso o letramento. Dessa forma empregou estratégias criativas, estimulando as inteligências lingüísticas ou verbal, lógico-matemática, visuo-espacial-(criativa), sonora ou musical, cinesnestésico-corporal, naturalista e pessoal, defendidas por Antunes (2003) em sua teoria das inteligências múltiplas. De forma paralela a esse conjunto de ações e tomadas de decisões, a turma foi realizando também atividades coletivas e / ou diversificadas de acordo com os objetivos propostos para se trabalhar os conteúdos curriculares interdisciplinarmente de forma dialógica. O texto construído coletivamente envolveu conhecimentos de ciência (animal, vegetal, alimentação, tipo sangüíneo), matemática, histórica e geografia (datas, cidade, bairro, noções de quantidade, tempo, espaço, etc), pois todas as disciplinas estão interligadas. Na produção textual coletiva, foi trabalhado as regras do português-padrão (PP)1, conhecendo, analisando e conscientizando o grupo sobre o português-não-padrão (PNP), como sugerido por Bagno (2004), contemplando assim, uma das habilidades que deve ser desenvolvida de acordo com os PCN, que é despertar nos alunos o respeito pelas variantes lingüísticas do português falado.

Metodologia

Esse projeto foi desenvolvido dentro desse parâmetro, numa estratégia pedagógica que empolgasse e facilitasse a comunicação e as linguagens, numa forma dialógica de ensino. Depois de apresentar o projeto “Astro ou Estrela da Semana” para a turma e estabelecido uma série de hipóteses em termos do que se queria saber e as perguntas que se pode fazer, foi organizado as etapas do projeto “Astro ou Estrela da semana”:

  • Sorteio,Projeto Astros
  • Seleção de fotos,
  • Apresentação das fotos para o grupo,
  • Entrevista,
  • Produção textual coletiva e posteriormente individual,
  • Ilustração,
  • Auto-retrato,
  • Confecção da página para a montagem do livro,
  • Confecção do painel do astro ou estrela,
  • Caixa do Segredo,
  • Foto do astro ou estrela junto ao painel para ser anexado ao livro de cada um.
  • Então, o grupo realizou semanalmente as seguintes atividades:

1-Uma criança foi sorteada toda sexta-feira, trazendo fotos ou pertences significativos para ela mostrar para a turma. O material foi exposto para o grupo, na segunda-feira, com a colaboração do Astro ou Estrela da semana anterior.

2-Esse material ficou em exposição num painel da turma durante a semana. O Astro ou Estrela recebe o apoio do aluno sorteado da semana anterior para a confecção desse painel, que já está fixado na parede com cartolina e papel contact, com as fotos ou pertences significativos, o seu nome e posicionar as estrelas a seu critério em torno do painel. Esse painel foi mudado semanalmente, ficando exposto no mural da sala de aula.

3-O Astro ou Estrela foi entrevistado pelos colegas, no qual se produziu um texto coletivo (1º semestre). Cada aluno formulou mentalmente suas questões, para depois, levantando o dedo, ser escolhido pelo Astro ou Estrela para respondê-las.

4-O Astro ou Estrela distribuiu o papel pautado e o papel ofício para a ilustração, como suporte para a transcrição da produção textual coletiva. Com o objetivo de montar um livro do Astro ou Estrela de cada aluno com esta produção textual e mais o desenho de como cada criança vê o Astro ou Estrela da semana, as atividades prosseguem da seguinte maneira:

5-Cada aluno sorteado escolhe a cor da folha e da capa que irá compor o seu livro (amarela, azul, verde ou rosa). Após ter ilustrado e feito à produção textual, cada aluno monta a sua própria página para compor o livro do Astro ou Estrela daquela semana.

6-Enquanto a turma transcrevia a produção textual coletiva e fazia a ilustração do Astro ou da Estrela sorteado, o próprio, fazia o seu auto-retrato para colocar na frente do seu livro, além de escolher uma estrela do seu painel para compor a sua capa.

7-Durante a semana, o Astro ou a Estrela foi aplaudido, foi o primeiro da fila na hora da entrada, saída e recreio. Foi lembrado em vários momentos que é o Astro ou Estrela da semana. Ao término da semana ele foi fotografado junto ao seu painel e mostrou a “Caixa do segredo” que levou no dia anterior para colocar algum pertence de grande significado para ele compartilhar com a turma. Essa foto foi colocada ao final de cada livro confeccionado pelo grupo.

Com o objetivo de proporcionar situações em que pudesse favorecer a autonomia dos alunos, e, sobretudo o diálogo promovido pelo educador com o intuito de estabelecer comparações, inferências e relações, para dar sentido á forma de ensino e de aprendizagem é que apresento as atividades a seguir elaboradas para responder as seguintes questões:

  • Como saber se os alunos estavam aprendendo o que se trabalhava no projeto?
  • O que aprenderam do que se pretendeu ensinar?

A partir do 2º semestre a produção textual foi individual, com o Astro ou Estrela escrevendo no quadro branco as palavras de sua entrevista para que fizessem o seu texto individualmente. Esta nova etapa aconteceu gradativamente, após a interpretação oral feita em outro dia da semana sobre o texto produzido coletivamente, onde foram destacadas as palavras-chaves do aluno entrevistado. Foi pedido também que reescrevessem a última entrevista em seus cadernos individualmente para que, logo após, fosse lida novamente a produção textual coletiva feita anteriormente para que percebessem que podemos escrever sobre o mesmo assunto de maneiras diferentes, sem mudar o sentido real dos fatos. Foram realizados também, treinos ortográficos com frases elaboradas pelos próprios alunos sobre o astro e estrela daquela semana.

8-Durante a entrevista o aluno sorteado escreveu no quadro branco as palavras-chaves de suas respostas para que logo após, todos pudessem produzir seu texto individualmente, na 3ª pessoa, quando também ele fez sua produção textual, na 1ª pessoa, para colocar ao lado do seu painel.

9-A revisão da produção textual foi feita em outro momento com o apoio de trabalhos diversificados, dentre eles jogos pedagógicos (tangran, bloco lógico, dominó silábico e de frases, formando palavras, baralho de letras, dominó de adição e subtração, jogo da memória) enquanto o professor mediava individualmente este processo de intervenção no texto de cada um. Quando todos foram sorteados, inclusive eu, por sugestão do grupo, houve uma “grande festa para a entrega dos livros”, com um lanche coletivo para a turma. Os alunos organizaram a festa e confeccionaram o convite.

Avaliação

Quando todos foram sorteados, inclusive a professora regente por sugestão do grupo, houve uma “grande festa para a entrega dos livros”, com um lanche coletivo para a turma. Os alunos organizaram a festa e confeccionaram o convite. A turma mostrou-se bem interessada e participante nas atividades propostas, contribuindo com sugestões e colaborando com suas vivências. O aproveitamento foi muito bom, porém alguns ainda se sentiam inseguros no trabalho independente, necessitando ainda da intervenção da professora para concluir suas atividades. Embora tenham tornado-se mais responsáveis em suas tarefas, alguns alunos encontravam dificuldades de lidar com o tempo para o término das mesmas. Já produziam seus textos individualmente para o “livro do Astro ou Estrela. As práticas pedagógicas apresentadas ajudaram as crianças a se autoconhecerem, sentindo-se assim apoiadas “em bases firmes sobre as quais construirá sua vida e saberá identificar o que necessita ser mudado e como realizar essa mudança” (Antunes, 2003, p.21).

Pessoas que “falam” constroem idéias, excitam pensamentos, mudam o mundo, no entanto, pessoas que apenas “dizem” recitam, declamam, afirmam, murmuram, discursam, etc. E foi com esse pensar, construindo idéias, que a turma planejou a culminância do projeto ao final do ano letivo.

As atividades que seguiram não só pretenderam realizar a culminância do projeto, mas também vêm acompanhadas por toda uma série de ações que se expressam oral e graficamente com a finalidade de romper mais uma vez com o estático, oportunizando o movimento da autonomia e do autoconhecimento, respeitando e convivendo com as diferenças.

O grupo começou a organizar a festa. Fizeram também uma árvore de natal de papel pardo para o painel, onde antes ficava o painel do astro ou estrela. A árvore de natal representou a turma GR3 F. Cada aluno colou com fita adesiva as letras usadas durante o ano para escrever os nomes dos astros e estrelas no painel de fotos, nesta árvore de Natal. Representou a unidade do grupo que se fortaleceu durante o ano letivo, desejando a todos um FELIZ NATAL!

Estrelas grandes e coloridas foram cortadas e autografadas por cada um para serem afixadas no quadro branco. Fizeram a seleção e distribuição dos doces, salgados, refrigerantes, guardanapos e copos que trariam para a festa. Não foi obrigatório o uso de uniforme neste dia, pois foi um dia de festa! A entrega dos seus livros de estrela e astro!

Confeccionaram um microfone de sucata para a entrevista durante o ano e que foi usado também durante a festa de encerramento. Dois alunos ficaram encarregados de segurar o telão confeccionado por eles de material de sucata (isopor, cola e papel colorset), alem de aumentar ou diminuir o som na entrega dos livros.

Após o relato, dois alunos entregaram os livros do Astro e das Estrelas, abrindo um envelope com as características de cada um de acordo com o seu relato no momento da entrevista. Exemplo:

Quer agradar o nosso astro é só dar para ele um delicioso sorvete de baunilha! Quer ser jogador de futebol!(Cauã Adriano)
O seu pai é pedreiro e a sua mãe é secretária do lar! Sonha em ser escritora quando crescer. Começou a pensar sobre isso quando passou a acompanhar as novelas.(Caroliny)
A nossa estrela adora unhas bem feitas, por isso deseja ser manicure. Sonha também em ser professora de informática! (Suellem)
Quer ser professora para trabalhar com crianças! Adora pizza, italianinho, mas não gosta de comer peixe, cebola e cenoura mesmo sabendo que fazem bem para saúde…

Autoavaliação

O processo percorrido revela a conexão entre as fases do planejamento, ação e avaliação na tomada de decisões do grupo junto ao professor. A coerência entre elas está em estrita relação com a inovação adotada. Nesse sentido, a avaliação reverte e faz parte do processo geral de ensino-aprendizagem e a organização do projeto facilitou de forma mais precisa essa relação. Programadamente compartilharam esta prática (docente X discente), levando os discentes a sentirem a importância do registro da experiência, que é em si uma forma de avaliação.

Por outro lado, o professor procurou trabalhar através da memória, que é mais uma fonte de informação que com freqüência vem a ser modificada pela imaginação, os relatos das atividades (entrevistas e vivências) como um jogo contínuo entre a imaginação e a percepção. É preciso ver o que está no meio ambiente, estimulando a imaginação dos discentes para descobrirem o que querem e como querem o seu mundo exterior.

Vale ressaltar que, após o primeiro encontro com os pais, na segunda reunião, foi mencionado o eixo de trabalho em que percorria as características da turma, e os objetivos que procurava alcançar, fazendo-os conscientes não só da importância de ver, ouvir, tocar, mas a contextualização dessas sensações pela cultura, pela família e pelo grupo em que estavam inseridos. Foi apresentado o projeto já iniciado, com seus objetivos e trajetória. Foi percebido em muitos pais a insegurança em relação à ação pedagógica a que o professor se propunha por ser até então, inovadora e desconhecida por muitos naquela comunidade escolar. Antagonicamente, davam votos de credibilidade por seus filhos já demonstrarem satisfação e prazer em participar das aulas, comentando em casa sobre o projeto em andamento.

Ao final do ano letivo, com o lanche coletivo organizado pelo grupo, constatou-se que a característica do trabalho desenvolvido buscou o equilíbrio entre a exploração e o controle através da sensibilidade, conscientizando suas emoções. O trabalho foi realizado não só com os alunos, obtendo ótimos resultados, como também com seus responsáveis, que se mostraram mais confiantes e felizes com a ação pedagógica ministrada.

O projeto exposto remete a uma reflexão sobre a práxis docente, no contexto educacional nos anos iniciais do Ensino Fundamental I, usando a concepção do letramento, com ênfase na afetividade e autoestima.

Deste modo, a eficácia da aprendizagem depende da aquisição de estratégias cognitivas e metacognitivas que possibilitem ao aprendente planejar e monitorar o seu desempenho escolar, ou seja, que permitem a tomada de consciência dos processos que utiliza para aprender e a tomada de decisões apropriadas sobre que estratégias utilizarem em cada tarefa, e ainda avaliar a sua eficácia, alterando-as quando não produzem os resultados desejados. Nesse sentido, tivemos como suporte a Neurociência que vem contribuir sobremaneira para o maior entendimento do processo de ensino-aprendizagem. Faz-se necessário que os professores envolvidos tenham bem claro que as ações de seu aprendente provêm de atividades cerebrais dinâmicas e que os conhecimentos da Neurociência contribuem para que sejam elaboradas atividades que desenvolvam tais atividades, sabendo que não pode esperar que os aprendentes concentrem sua atenção nas atividades se estas não forem estimulantes.

A afetividade é uma função psicológica que é regulada biologicamente ao que se ama ao que se tem cuidado, e está relacionada à função de registro permanente e evocação da memória, como também, aos valores e a consciência ética. A afetividade implica em relação com o outro, em afinidades, atua biologicamente no ser.

O intuito aqui foi de mostrar ser possível construir um saber-fazer do educador e do aprendente num desenvolvimento contínuo, baseado em critérios científicos, teóricos, técnicos e legais, que contribuam para a valorização da autoestima apesar de todas as adversidades financeiras, geográficas, culturais, físicas e sociais para a realização desse trabalho desenvolvido em uma escola pública da rede Municipal de Niterói – RJ.

Com esse fazer pedagógico, significativo e contextualizado, o educador estará propiciando aos educandos uma maior possibilidade de compreensão de mundo para sua construção como cidadão crítico, reflexivo e ativo, interagindo em seu contexto social, podendo transformá-lo ou não, sabendo-se autor de sua história de vida.


Audrey Barcellos – Pedagoga-Psicopedagoga,Especialista em Neurociência Pedagógica e Educação Especial com ênfase em Autismo . Contato:aptbarcellos@yahoo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *