Olha a água!

Como uma linguagem de expressão a música faz parte da formação global da criança e não pode ficar restrita a momentos de recreação ou a festejos comemorativos. A música é grande parceira e colaboradora no desenvolvimento dos processos de aquisição do conhecimento, sensibilidade, criatividade, sociabilidade e gosto artístico.

É papel da Escola oportunizar à criança situações para que ela aplique sua curiosidade espontânea.

Os alunos recebem informações válidas a respeito dos objetos e acontecimentos na medida em que agem sobre estes, tocando-os, olhando-os, ouvindo-os e pensando a seu respeito. Assim, assimilam essas ações e nesse processo desenvolvem conceitos, habilidades e competências.

O desenvolvimento cognitivo surge das atividades de interação da criança: ao ouvir, falar, brincar, cantar, tocar, etc. com o objeto do conhecimento.

Sendo a Escola a instituição responsável pela formação cultural da criança, cabe a ela proporcionar atividades que ampliem as possibilidades de interação para uma construção do conhecimento de forma eficaz.

Partindo da música Água – composta por Tio Marcelo – várias atividades podem ser realizadas, desencadeando uma série de experiências, entre elas sugerimos:

1- Sondando conhecimentos prévios e listando as dúvidas provisórias:

Conversando sobre a música, estimule perguntando:

  • Onde tem água?
  • Quem mora na água?
  • Para que precisamos de água?
  • Como a água chega até nós?

Combine com a classe de pesquisar a respeito e para que as pesquisas sejam interessantes vale tudo: outras músicas, filmes, livros, gibis, etc. Registre as principais falas dos alunos e as descobertas em cartazes e murais.

2- Vamos experimentar a água? 

Utilizar materiais variados, como: copos transparentes, água potável, pó para suco e colheres. Instigar as crianças para que provem a água pura, depois modificá-la com o pó, podendo misturar sabores.

Para variar a atividade provar água com sal, açúcar, café, etc. Colocar muito, pouco, sempre levando ao questionamento:

  • Qual gosto da água? Por que?
  • O que acontece ao misturarmos o sal? E o açúcar?
  • Como vocês gostam mais?
  • Podemos sentir o cheiro da água?

Existe água nos alimentos? Quais? Vamos pesquisar e experimentar?

Organizar um lanche coletivo com frutas e sucos variados oportunizando a degustação de diferentes sabores.

3- Brincar sem desperdiçar

Como encher um balde? Lançar a proposta às crianças de utilizarem diferentes embalagens para encher o balde, sem ajuda ou interferência do adulto. Para tanto, devem ser selecionadas embalagens de diferentes materiais, tamanhos e formas, buchas, esponjas, tampas, pratos.

Sempre levando ao questionamento:

  • Qual o melhor pote a escolher?
  • Será melhor pegar o grande, que cabe mais, ou o pequeno, onde cabe menos, e volto mais rápido?
  • Em qual bacia devo colocar a água?

Pode-se usar potes com furos, coadores e observar a reação da criança até que ela descubra o que fazer.

Ao término das experiências esvaziar o balde e as bacias jogando a água nas plantas e/ou jardim, conversando sobre o desperdício e a importância da água na vida dos seres vivos.

Música gentilmente cedida por Marcelo Serralva, mais conhecido como” Tio Marcelo” – Educador, músico, compositor e ilustrador.


Paty Fonte (Patricia Lopes da Fonte)

Educadora especialista em pedagogia de projetos, escritora, autora dos livros “Projetos Pedagógicos Dinâmicos: a paixão de educar e o desafio de inovar” e “Pedagogia de Projetos – Ano letivo sem mesmice”, ambos publicados pela editora WAK; autora e tutora de cursos presenciais e on-line de educação continuada a docentes, coach, palestrante.

Idealizadora e diretora dos sites: www.projetospedagogicosdinamicos.com e www.cursosppd.com.br

Contatos: www.patyfonte.com.br | www.facebook.com/pedagogiadeprojetos/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *