Fenômeno Bullying: Conhecer para Combater

Diariamente, alunos do mundo inteiro sofrem com um tipo de violência que vem disfarçada em modo de “brincadeira”. Esses comportamentos, que até há pouco tempo eram considerados inofensivos, podem originar sérias conseqüências ao desenvolvimento psíquico dos alunos, causando desde queda na auto-estima, até em casos mais extremos, o suicídio. Tal problemática vem se disseminando largamente nos últimos anos. O fenômeno bullying, como é conhecido, adota aspectos preocupantes, tanto pelo seu aumento, quanto por abranger faixas etárias, cada vez mais baixas, referente aos primeiros anos de escolaridade. Dados recentes apontam no sentido da sua disseminação por todas as classes sociais e uma tendência para um crescimento acelerado desse comportamento com o avanço da idade, da infância à adolescência. Embora de maneira incipiente, mas cada vez mais, o bullying tem chamado a atenção de todos aqueles que trabalham com educação e saúde. A prevenção do bullying entre estudantes constitui-se em uma necessária medida de saúde pública, capaz de possibilitar o completo desenvolvimento de crianças e adolescentes, capacitando-os a uma convivência social sadia e segura. A fim de prevenir e combater o fenômeno, é fundamental que se construa uma educação que não se restrinja a ensinar exclusivamente o conteúdo programático, mas também onde se eduquem as crianças e adolescentes para a prática de uma cidadania justa. Portanto, envolver o âmbito institucional na implantação de ações de redução do comportamento agressivo, intimidante e discriminatório, a fim de desenvolver um ambiente seguro e salutar, promovendo a cultura da paz, o respeito à dignidade humana e a valorização das diferenças deve fazer parte do currículo pedagógico, em que alguns dos objetivos específicos destinam-se entre outros a informar quanto ao conceito do Bullying desenvolvendo com os alunos regras de disciplina em coerência com o regimento institucional; bem como estimular lideranças positivas entre os alunos, prevenindo futuros casos de bullying na instituição e oportunizar momentos de reflexão às crianças e adolescentes, sobre as conseqüências geradas por este fenômeno. Diante disso, os resultados esperados referem-se a promover a reflexão crítica sobre o tema desde a possibilidade de sua identificação até as conseqüências desse fenômeno, promovendo uma aprendizagem significativa e contextualizada, possibilitando aos jovens a contemplação dos princípios para uma educação de respeito às diferenças, buscando um comprometimento consigo mesmo e o meio que estão inseridos e o qual são agentes integrantes e transformadores.


Marjorie Calumby Gomes de Almeida.
Psicopedagoga clínica e institucional.
Porto Alegre –  RS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *