Exposições e concursos de arte infantil

Há dois tipos de exposição de trabalhos de Artes Plásticas com crianças: as que têm como objetivo propósitos puramente pedagógicos, como exposições feitas em sala de aula para oferecer à criança, e somente a ela, a oportunidade de observar e tomar consciência de suas próprias realizações, como aquelas que pretendem demonstrar a um público determinado algumas características do desempenho infantil.

No primeiro caso, as exposições pretendem estimular e motivar as crianças a darem continuidade a seu processo gráfico-plástico. Para que exposições desse tipo cumpram o objetivo a que se propõem, algumas recomendações são necessárias:

  • Expor somente trabalhos que expressem as experiências das próprias crianças, trabalhos em que não haja interferências de outras pessoas;
  • Expor o trabalho de todas as crianças indistintamente;
  • Renovar constantemente as exposições, pois é muito curto o período de relacionamento íntimo da criança com sua obra;
  • Envolver a criança na organização da exposição: escolha do local, forma de dispor e de agrupar os trabalhos etc.;
  • Dialogar com as crianças sobre as realizações;
  • Variar as formas de dispor os trabalhos em cada exposição, para que se tenha sempre um visual novo, o que desperta interesse e curiosidade nas crianças.

No segundo caso, as exposições destinam-se a um público específico – pais ou educadores – constituindo excelente recurso para a compreensão do desenvolvimento infantil. Podem revelar diferentes aspectos da expressão gráfico-plástica, como etapas do desenvolvimento infantil, desenvolvimento individual das crianças, tipos de expressão, utilização de técnicas, tendências na expressão artística etc. Caberá ao professor direcionar a exposição para o aspecto desejado, sem esquecer que muitas características importantes não são observáveis em um único trabalho, mas revelam-se na sequência dos vários trabalhos.

Como a exposição se realiza com propósitos educativos, é necessário que os trabalhos sejam devidamente etiquetados e que se organizem quadros didáticos com a finalidade de guiá-la e esclarecer seus aspectos mais significativos. Ao organizar uma exposição desse tipo, leve em conta o número de trabalhos, a forma de dispô-los e a apresentação de cada um.

Nessa faixa-etária, concursos são absolutamente fora de propósito e inadmissíveis, pois vão contra todos os pressupostos metodológicos e filosóficos da educação. Uma vez que a criança está sendo despertada para a arte, estimulada a desenvolver seu potencial criativo, solicitada a expressar seus pensamentos e emoções através de atividades de Artes Plásticas, não podemos, de forma alguma, submetê-la a competições. A preocupação em disputar prêmios pode roubar toda a riqueza da atividade. Deixemos de lado, pois, em concursos, ficando com as exposições, que podem ser um recurso precioso para a criança, seus pais e professores.

 


Trecho do livro: A Educação Artística da Criança. Editora Ática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *