ATENÇÃO: por que não importa?

Depois de anos em sala de aula, hoje a questiono seriamente.

Trabalho como professora há 23 anos. De repente, eu estou diante de uma geração que não se importa. Isso! Eles não se importam. O presente é muito insosso, menos para o corpo. O futuro é cheio de possibilidades apenas na mente. Não observo atitude e/ou objetivo. Não são apenas os comportamentos cognitivos que estão desorganizados, mas também suas questões emocionais, aliás, suas questões socioemocionais. Tudo tem fragilidade e sugere fragmentação.

Trabalho em escola pública do subúrbio do RJ com uma faixa etária de 16 a 26 anos. É o chamado ‘Ensino Médio’ regular (EMr). Inovação é a palavra de ordem sim, mas nem isso gera atenção. O vão do EMr parece ser vivido como grande obrigação senão ‘não serão ninguém’. Inovação é a tônica e estudo constante sim, mas parece que nada os atrai, satisfaz ou diminui tensões. Suas rotinas de vida são muito tensas (comunidades parcialmente violentas) e/ou sem graça (sedentarismo total). Então por que se importar?

Sala de aula tradicional, em sua maioria. Cadeiras enfileiradas, às vezes. Conteúdos sendo oferecidos de muitas maneiras. Professores repensando práticas. Mas alunos desatentos, desinteressados e agitados. Tempo de escola é bom. Mas a escola não importa. Eles não SE importam. O que vale é o social. Estar na escola para criar relações de todos os tipos é o que vale. ATENÇÃO só serve para isso: quem é quem? quem está a fim de quem? quem ficou com quem? E a sala de aula cognitiva torna-se um campo de conflitos e desavenças porque está em paralelo a esses interesses.

Armas antipedagógicas são armas para o silêncio, o controle e os limites. Parecem ser a última linha de ajuste dos comportamentos. E sua utilização vem aumentando muito. Desatentos, eles têm diálogo difícil, inclusive entre eles; e mesmo assim, não se importam. Ignoram valores para suprir inseguranças, fragilidades e ignorâncias; ou alcançar entendimento e aprendizagem. Exposição para o social sempre; nunca para o aprendizado: por que eles não se importam.

Sala de aula é sala de convivência sim; mas, no caso, dos interesses pessoais e lúdicos; não das necessidades cognitivas para conviver fora dali como sujeito social equilibrado, empático e empreendedor. Aliás, fora dali, a escola não importa mesmo: eles chegam sem lápis, caderno e/ou uniforme, e se incomodam quando são chamados atenção. O tempo da escola é bem marcado: vai de 18h40 até 22h é escola; de resto, é pura vida sem importância ou para suprir suas necessidades, ou mesmo, para corresponder às exigências do contexto em que vivem. Não importa o outro ou o amanhã. Nada importa…

Cadê os sonhos? Cadê os desejos? Cadê os objetivos? Para que estudar? O que fazer depois de formado? Não importa. Agora, não importa. Agora, a ‘boa’ é atender amores, alguns trabalhos, relações, músicas, celulares, baladas, futebol e, às vezes, família, se não for complicada demais. De resto, nada importa. ‘Uma hora tudo se resolve…’ – pensam.

Atividade: produção de revista em sala. Sala de aula confusa. Dificuldade em compreender etapas do trabalho. Dúvidas, dúvidas, dúvidas. Por quê? Eles não me ouvem. Eles não se ouvem. Os interesses são muitos e todos são mais importantes do que o do outro ou da atividade. Não importa nada, só o papo. Ai penso em atenção.

A mágica da atenção é o toque de Midas do ensino hoje. Ponto de mutação entre o ‘não importa’ e o ‘importa muito’. Os sons do silencio interno não acontecem aqui, nem em grupo. Ninguém se escuta: é o conforto do barulho e do tempo passando. O celular é mais atraente. O futebol é mais importante. A roupa da festa é mais legal. Atenção, tudo é atenção pessoal. Observo e penso: o som é ruidoso e ele atrapalha. Será? Na vida, o som é duro, intenso e constante. Vivemos no meio dele e precisamos criar estratégias para nos focar e aprender, apesar de. Abstrair e aprender importa muito. Será?

Como afirma Goleman (2013), aprender diante de sons intensos significa a presença de atenção seletiva “(capacidade neural de mirar em apenas um alvo, ao mesmo tempo em que ignora um mar atordoante de estímulos chegando, cada um sendo ele próprio um foco potencial)”. Meus alunos têm essa habilidade? Não sei… Como eles não se importam, atrair ideias e pensamentos tem sido uma luta dura. Não escrevo sobre barulhos que eles mesmos fazem em sala junto aos colegas: são adolescentes; escrevo sobre sons de tiros terminando a aula no meio da noite; sons musicais altos demais nos ouvidos; sons emocionais negativos em família; sons de enfrentamento junto à direção ou aos professores; sons de baixa autoestima rotineiros: enfim, sons tóxicos que reprimem sua própria humanidade e que estimulam seus cérebros primitivos para sobreviver.

Segundo Goleman (2013), há dois tipos principais de distrações: a sensorial (aquela em que você lê algo, mas abstrai sons externos, cores ao redor ou outros estímulos quanto a sabores, cheiros, sensações tácteis etc.) e a emocional (mais desanimadoras porque os estímulos surgem carregados de informações e não há como abstrair: ao responder um e-mail, alguém chama seu nome, ai é impossível manter o foco: algo se perde no e-mail).

Para aprender, então, não é possível a presença constante do ‘tumulto emocional’. Algo que vai além da dinâmica da sala de aula diante de quaisquer áreas de saber. Meus alunos não se importam porque, inconscientemente, se percebem invisíveis e convivem com dinâmicas emocionais que não pedem licença para desorganizar seus pensamentos e por fim seus comportamentos. Meus alunos não se importam porque há uma emoção premente desde cedo: o INCÔMODO. Meus alunos não se importam porque são incomodados. “A linha divisória entre uma ruminação infrutífera e uma reflexão produtiva está no fato de chegarmos a alguma solução experimental ou algum insight que nos permita abandonar esses pensamentos — ou se, por outro lado, simplesmente continuamos obcecados em torno da mesma preocupação” (GOLEMAN, 2013). Será que meus alunos reconhecem essas opções aos seus processos de aprendizagem? Não sei… Eles não se importam.

Atenção relaciona e equilibra diretamente FOCO e CONCENTRAÇÃO. É uma tríade fundamental à IMAGINAÇÃO e CRIATIVIDADE. Mas eles não se importam. Ansiedade, alerta, insônia, desequilíbrio emocional criam uma sala de aula às vezes reptiliana, às vezes límbica, quase nunca pré-frontal, ambiente da capacidade humana de manter o foco; e ambiente que favorece o desejo de se concentrar (realizar as atividades escolares) e a decisão de ignorar os ruídos externos ao redor. “Como o foco exige que abstraiamos as distrações emocionais, nossa estrutura neural para a atenção seletiva inclui a inibição da emoção. Isso significa que quem tem melhor foco é relativamente imune a turbulências emocionais, tem mais capacidade de se manter calmo durante crises e de se manter no prumo apesar das agitações emocionais da vida” (GOLEMAN, 2013).

Só que meus alunos não se importam. Suas mentes se perdem. Suas emoções ganham ansiedade crônica. Seus comportamentos tornam-se disfuncionais. E a noite termina com broncas e ações antipedagógicas (reforço negativo): alunos fugindo da escola, alunos fora de sala e/ou alunos proibidos de participarem das atividades seguintes.

Não sei o que pensar… Preciso pensar… Eu ainda me importo…

REFERÊNCIA: GOLEMAN, Daniel. FOCO. São Paulo: Objetiva, 2013.


Prof.a Ms Claudia Nunes – Graduada em Letras (Portugues/Literatura) pela UVA. Mestra em Educação pela UNIRIO. Especialista em Tecnologia Educacional, em Neurociência Pedagógica e Psicopedagogia pela AVM-UCAM. Professora do Ensino Médio (SESI / Estado-RJ). 22 anos em sala de aula.
Bloge-pesquisadora.blogspot.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *