Algumas considerações sobre o ensino de Ciências

Ensinar ciências deve partir do conhecimento cotidiano. A ciência está no dia a dia da criança de qualquer classe social, porque está na cultura, na tecnologia, no modo de pensar. Quando se parte do cotidiano conhecido, o aluno se sente motivado a aprender o conteúdo científico. A ação do professor, desse modo, não pode consistir em negar o cotidiano fragmentado do conhecimento da criança. Mas, ao contrário, em levá-la a superar essa visão para que chegue ao conhecimento formalizado.

Vivemos em um mundo onde o conhecimento científico e a tecnologia que ele possibilita estão presentes em quase todas as atividades cotidianas, influenciando nosso estilo de vida e nossas possibilidades de participação. Atualmente, um cidadão que não tenha uma cultura científica bem desenvolvida terá muitas dificuldades em construir uma proposta autônoma de sobrevivência, compreendendo o mundo em que vive para inserir-se nas atividades sociais com independência e espírito cooperativo.

A educação em Ciências Naturais é um componente fundamental na formação do cidadão contemporâneo. E, para ser um bom educador em Ciências Naturais, o professor precisa ter, ele próprio, uma cultura científica e um conhecimento didático que lhe possibilite planejar e conduzir boas situações de aprendizagem nessa área.

Trabalhar com o fenômeno cientificamente delineado, na sala de aula, implica partir do saber que a criança já possui. Este saber que a criança constrói no cotidiano – pela observação e por informações diversas – é o ponto de partida para a ação pedagógica. Entretanto ele precisa ser confrontado com o conhecimento científico. Mesmo que não seja com a última teoria científica mas com alguma teoria que organize o conhecimento, desenvolvendo outras dimensões do pensamento. A criança lança hipóteses, que retira do dia-a-dia: porém estas hipóteses precisam ser teorizadas, esclarecendo se a relação entre a ciência construída historicamente e o cotidiano – este também diverso em cada época.

O conceito não é portanto, um conhecimento fechado em si mesmo, o qual se transmite à criança. Para ser apreendido, ele precisa ser construído por ela, com as possibilidades e diversidades das situações efetivas. Este fato deve, por sua vez, nortear a orientação da ação pedagógica.

O professor, ao ensinar ciências, tem de estar consciente de que vai delimitar situações e tem de esclarecer ao aluno que aquilo de que se vai falar é válido naquelas condições e pode não valer para toda e qualquer situação.

É função do professor fazer o recorte do fenômeno ao qual se refere o ensino a ser realizado. Recortá-lo da melhor maneira possível, pensar a respeito dele, descobrir e permitir que o aluno faça este processo de perceber, captar e revelar/ ver velado. Este é o mecanismo de compreensão : delimitar o fenômeno e ver revelado naquele fenômeno o conceito científico que foi construído historicamente.

A partir de uma prática que considera o conhecimento existente na sala de aula, no sentido de organizá-lo, o professor passa a ver sua função de maneira diferente. Ele aprende a pensar de outras formas, a olhar para o objeto de ensino, para o conteúdo de outras maneiras que possibilitem novas dimensões de compreensão, libertando-se de formas antigas que não possibilitam construir um significado compreensivo.

Construir significados de várias perspectivas – da biologia, da antropologia, da física, da bioquímica, etc. – pode ser efetivo para se descobrirem, num significado, novas ligações com a realidade.

As teorias científicas e o conhecimento cotidiano apresentam ritmos diversos, entretanto são combinados no ensino.

Portanto, o ato de ensinar ciências não pode ser organizado tendo em vista unicamente um dos elementos que o constituem, sob pena de perder o seu significado educacional.

O conteúdo é assimilado e/ou transformado em função do ato de apreender que se estabelece, pela forma como ele é comunicado, e das expectativas que se tem de como ele será assimilado e/ou transformado.

Como Ensinar Ciências?

Há uma preocupação cada vez maior com a formação de profissionais que tenham uma efetiva consciência de cidadania, independência de pensamento e capacidade crítica, adquiridas ao longo da escolarização. Temos que formar cidadãos que não só saibam ler melhor o mundo onde estão inseridos, como também e principalmente, sejam capazes de transformar este mundo para melhor. Nossa luta é para tornar o ensino menos asséptico, menos dogmático, menos abstrato e menos a-histórico. Vejo nisso os pressupostos daqueles que buscam a Educação através do ensino de Ciências.

É importante para a educação na área de Ciências:

  • Vincular o ensino cada vez mais à realidade dos alunos e dos professores;
  • Esforçar para mostrar aos alunos um mundo mais real numa linguagem mais inteligível;
  • Aprender a ser menos dogmáticos e trabalhar com incertezas;
  • Abandonar o tratamento a-histórico dos conhecimentos, garimpando mais nos rascunhos do passado.

As Rodas de Ciências são situações de aprendizagem que possibilitam que as crianças elaborem questões e busquem respostas, formulem explicações e socializem suas opiniões. Desde a Educação Infantil elas devem ser incentivadas a observar, formular hipóteses, prever resultados e estar em contato com diferentes contextos.O registro é um dos recursos que a criança utiliza para representar, informar, confrontar e socializar. Dessa maneira ela estará aprendendo gradativamente, produzindo um novo conhecimento.

É importante o professor:

  • Organizar a sala e a disposição das crianças na roda;
  • Organizar previamente os materiais utilizados para a atividade;
  • Garantir a participação do grupo;
  • Elaborar previamente as intervenções que serão propostas às crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *