Corrigir ou aceitar ?

CORRIGIR OU ACEITAR – O ERRO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO?

Uma das maiores dúvidas quando se fala em alfabetização, é sobre o papel do erro neste processo. O que fazer? Como lidar com tentativas frustradas de escritas? Corrigir ou aceitar?

Partindo do princípio de que o erro é um processo de construção, que a criança só erra porque busca o acerto, devemos ter em mente que ele é fator fundamental no processo de aprendizado. Se a criança copia por copiar, cometerá erros referentes à falta de atenção, por não identificar uma ou outra letra, mas quando o erro é fruto da construção espontânea, onde mais do que codificar ou decodificar um símbolo, é o entendimento e a expressão de uma ideia o que se busca, o erro acontecerá com mais freqüência. Devemos, então, observar em primeiro plano, o nível de aquisição da escrita em que a criança se encontra, pois cada nível possui suas particularidades e erros comuns a esta etapa.

A correção é importante, cada vez que a criança repete o erro, pois o considerando como a opção certa, estamos permitindo que a realização deste exercício motor, reforce a escrita incorreta no processo mental. Logo, é natural a criança reproduzir na escrita espontânea, aquilo que escuta quando fala (Kasa para casa), no entanto, reforçar este modelo, não contribuirá para a escrita correta. A melhor alternativa, seja em qual for a etapa em que a criança se encontra, é criar um conflito, para que ela elabore novas hipóteses para a escrita da mesma palavra.

Na escrita espontânea, a criança por si, se dá conta de que há um erro, com isso, busca frequentemente o auxílio do educador para mostrar o que escreveu. Quando damos um elogio para um erro, além de reforçar a escrita incorreta, corremos o risco de cair no descrédito, pois a criança se dá conta que não é preciso escrever da forma correta e, logo, deixará de buscar o auxílio do educador.

Há várias formas de fazer uma intervenção, seja com questionamentos ou apenas mostrando a criança como se escreve. Ter em sala alfabeto móvel e outras formas de visualização deste recurso, favorece a observação e a comparação da produção espontânea, com a forma correta de escrever. Por isso, nesta fase de alfabetização, os exercícios que favorecem noções topológicas, desenvolvem a motricidade e a lateralidade, colaboram tanto para a escrita correta de palavras.

Conclui-se então, que observando uma criança  vemos que ela aprende a engatinhar, a andar, a correr por si mesma, nunca por meio de lições verbais dos adultos, mas muito através da necessidade e da imitação. A vida da criança é uma sucessão de experiências de aprendizagem adquirida por ela mesma, quando tem a oportunidade de interação. Ao chegar à escola, ela traz consigo infinitas experiências e conhecimentos acumulados, conquistados por meio de exploração visual, auditiva, jogos, brincadeiras, conversas, passeios, contatos, brinquedos, que influenciarão no processo de aprendizagem.

No processo de aprendizagem da leitura e da escrita, a criança defronta-se com um mundo cheio de atrações (letras, palavras, frases, textos) e se engajará neste mundo muito mais facilmente se puder participar integralmente dele e se o processo for transformado num grande ato lúdico (participativo, inteligente, prazeroso), em oposição ao ato técnico (estático, repetitivo, mecânico) muito próprio das escolas. Portanto, podemos perceber a necessidade de se relacionar o processo de alfabetização com o lúdico, na forma de jogos e brincadeiras, que despertam o interesse e arrebatam a atenção das crianças, tornando este processo recheado de significado.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS & DICAS DE LEITURA:

  • BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e Leitura. São Paulo: Cortez, 1991.
  • CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & Lingüística. São Paulo: Scipione, 1989.
  • ______Alfabetizando sem o bá-bé-bi-bó-bu. São Paulo: Scipione, 1998.
  • CÓCCO, Maria Fernandes; HAILER, Marco Antônio. Didática de alfabetização: decifrar o mundo: alfabetização e socioconstrutivism. São Paulo: FTD, 1996.
  • COOK-GUMPERZ, J. Construção social da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
  • CURTO, Lluís Maruny; MORILLO, Maribel Ministral; TEIXIDÓ, Manuel Miralles. Escrever e ler: como as crianças aprendem e como o professor pode ensina-las a escrever e a ler. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.
  • ELIAS, Marisa Del Cioppo. De Emilio a Emília: a trajetória da alfabetização. São Paulo: Scipione, 2000.
  • FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 2001.
  • ______. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 1993.
  • ______; TEBEROSKY. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
  • FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire.São Paulo: Moraes, 1980.
  • ______; MACEDO, D. Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. São Paulo: Paz e Terra, 1990.
  • GRAFF, Harvey J. Os labirintos da Alfabetização: reflexões sobre o passado e o presente da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.
  • SOARES, M.B. Alfabetização: a (dês)aprendizagem das funções da escrita. Belo Horizonte: Educação em revista n.8, p.3 –11, 1988.
  • ______. Língua Escrita, sociedade e cultura: relações, dimensões e perspectivas. São Paulo: Revista Brasileira de Educação n.0, p.5 –11, 1995.
  • TEBEROSKY, Ana; TOLCHINSKY, Liliana. Além da alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. São Paulo: Ática, 1996.

Autoria:

Márcia de Oliveira Soares – Professora, atualmente, coordenadora pedagógica Escola Infantil Toca dos Tocos, apaixonada pela educação e por crianças.
BLOG ESPAÇO DA CRIANÇA: http://cantinhoencantadodaeducacaoinfantil.blogspot.com/

Karina Thetinski Rodrigues – Pedagoga e Psicopedagoga Clínica e Institucional
Contatos através dos E-mails:
kthetinski@ibest.com.br
kthetinski@yahoo.com.br

OUTRAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS:

Resumos publicados em Anais de Congresso ou Revistas

Autores: Karina Thetinski Rodrigues
Título: Falando do Encontro: Reflexões e Vivências
Nome do evento científico ou da revista: I Encontro Internacional de Supervisores Educacionais e Docentes
Volume – 1
Página inicial, página final, ano: 81-81/2002

Autores: Karina Thetinski Rodrigues
Título: E.M.E.I Cypriano José Centeno é referencia em gestão escolar
Nome do evento científico ou da revista: Revista Pedagógica SME de Camaquã
Número – 1
Página inicial, página final, ano: 05-05/2006

Livros, capítulos de livros:
ZIEGER, Lílian (org). Supervisão em Ação. Porto Alegre: Isis, 2003

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *